segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Dylan e o Cinema

Não é segredo pra ninguém (os amigos próximos sabem) que sou fã declarado de Robert Allen Zimmerman, o bardo, trovador mundialmente conhecido por Bob Dylan, aqui farei algumas observações sobre este mestre, que, para quem não conhece, possui uma carreira interessante na sétima arte, mas antes de descrever suas participações nos filmes quero relembrar uma atitude muito estranha do poeta: como sou hiper calorento (gosto mesmo é do frio) não pude deixar de ver com certo espanto esta imagem em que ele aparece de jaqueta e touca (foto de Jotabê Medeiros) no calor de um verão carioca (34º) em sua última vinda ao Brasil, eu, nesse caso enlouqueceria.
Mas vamos ao que interessa. Um dos melhores western que já vi (fora os faroestes italianos que adoro) se trata de “Pat Garret & Billy de Kid” de Sam Peckinpah, em que Dylan atua como um ferreiro e também compôs célebre trilha sonora para a obra fílmica com o clássico "Knockin' on Heaven's Door", 1973. Existem outras obras cinematográficas em que Bob Dylan atua (ver http://ultimosegundo.ig.com.br/cultura/cinema/os+trabalhos+de+bob+dylan+no+cinema/n1596973719845.html)   e também uma em que dirige um longa (longa mesmo, mais de quatro horas de duração) “Renaldo e Clara”, 1978. E mais recentemente, o ótimo documentário de Martin Scorsese “No Direction Home” de 2005.
Cássio Marcelo de Oliveira Alves.